O que devemos saber sobre a humidade relativa

Escrever sobre a humidade destaca-se pela sua importância nas nossas vidas, no nosso quotidiano e, acima de tudo, na nossa saúde. Será sempre um tema atual e pertinente até porque controlar a humidade relativa nos níveis adequados é uma missão da ciência da higrologia, de vários equipamentos e uma necessidade para todos nós.

O que significa humidade relativa?

Como já tivemos oportunidade de o explicar, a humidade relativa é a quantidade de água na forma de vapor que existe na atmosfera no momento em relação ao total máximo que poderia existir, na temperatura observada.

Importa dizer que o ar atmosférico é composto por vários tipos de gases, como sejam o oxigénio, o azoto, o hidrogénio, o dióxido de carbono, entre outros. Estes compõem o ar com percentagens que se mantém numa linha de estabilidade. O outro componente do ar atmosférico é o vapor de água, sendo que a sua quantidade é bastante variável. Então, temos o ar seco composto pelos gases acima designados e o ar húmido composto pelo ar seco e pelo vapor de água. É da variação do vapor de água na atmosfera que se estabelecem os níveis de humidade relativa.

Como se dividem os níveis de humidade relativa?

Abaixo de 40% HR: o ar está seco em excesso.

No exterior, evite exercícios físicos entre as 11 e as 15 horas, permaneça em locais protegidos do sol, em especial em zonas com vegetação. Evite sempre aglomerações em ambientes fechados, beba água e, em casa, use o humidificador!

De 40% a 60% HR: o ar está confortável e saudável.

Com o nível de humidade relativa correto, o ar torna-se mais leve, mais fácil de ser respirado.

Acima de 60% HR: o ar está húmido em excesso.

Nestas condições, em casa, a ajuda de um desumidificador é essencial! Para além disso, faça uma ventilação adequada quando cozinha ou quando toma banho. Um ventilador na casa de banho ajuda a combater o excesso de humidade e a evitar que apareça bolor nas paredes. Diminuir a duração dos banhos e baixar a temperatura da água são também uma grande ajuda. O uso do exaustor na cozinha pode ajudar a proteger a casa dos odores indesejados e da humidade. Acima de tudo, promova a circulação de ar. Arejar a sua casa de forma regular abrindo as portas e as janelas é muito importante no combate à condensação!

SABIA QUE…

Quando a humidade relativa se situa em níveis altos, esta aumenta a sensibilidade do nosso corpo às temperaturas do ar. Assim, nos dias mais quentes, as pessoas têm maior sensação de calor quando a humidade relativa do ar é mais elevada. Esta sensação deve-se à perda de eficácia da nossa pele em transpirar, o que diminui a capacidade de arrefecimento do nosso corpo.

A medição da humidade

É com a ajuda de aparelhos de medição de humidade que se conseguem chegar a estes níveis com a precisão necessária. Podemos afirmar que a forma mais correta de medir a humidade em casa é utilizando um higrómetro digital ou um termo-higrómetro, aparelhos específicos para esse fim. Explicando melhor, o higrómetro é um instrumento que serve para medir a humidade na atmosfera. É utilizado principalmente em estudos climáticos, mas também em locais fechados onde a presença de humidade excessiva ou abaixo do normal pode causar danos, por exemplo, em peças de museus, documentos de bibliotecas e elementos de laboratórios, bem como na sua casa.

Os malefícios da humidade excessiva

Existem várias consequências negativas do excesso de humidade. Ora, leia:

Fungos – O bolor (mofo) e respetiva decomposição (putrefação) ocorrem em ambientes húmidos, podendo resultar em danos significativos para as casas, os edifícios e materiais orgânicos (papel, tecidos, quadros, madeiras, couros, etc.). Existe também o risco para a saúde das pessoas que frequentam e vivem em ambientes afetados pelo bolor. Se a humidade relativa exceder os 70%, o risco de aparecimento e crescimento de fungos torna-se muito elevado.

Ferrugem – A combinação de humidade elevada e oxigénio no ar provoca a oxidação do ferro. O ferro é um material muito resistente e duradouro, mas a corrosão é a sua fragilidade. Controlar os níveis de humidade é a solução! Um ambiente seco permite prolongar a integridade e resistência das estruturas metálicas, superfícies e componentes. Já pensou num desumidificador industrial?

Condensação – É a consequência da relação entre a quantidade de humidade presente no ar e as diferenças de temperatura entre o ar e as superfícies dos objetos com os quais entra em contacto. Quando assistimos à condensação da humidade, aparece a água a escorrer pelos vidros, paredes, canos, etc. É certo que num cenário como este a qualidade do ar está a ser afetada.

Falhas Elétricas – Manter o ambiente seco ajuda a prevenir os curto-circuitos, a corrosão de componentes elétricos e/ou ligações soldadas. A humidade e a eletricidade não são bons parceiros. Elevados níveis de humidade no ar podem resultar em falhas elétricas, tanto em grandes instalações elétricas como em componentes eletrónicos sensíveis.

O tempo seco também prejudica a sua saúde

Basicamente e em estilo de resumo, os baixos níveis de humidade do ar causam desconforto nos olhos, nariz, lábios e no sistema respiratório, ressecando as mucosas. E se combinarmos as temperaturas altas com a baixa humidade e a poluição, esta condição acarreta riscos à saúde, fazendo com que os casos de problemas respiratórios cresçam em larga medida, normalmente acompanhados de tosse, cansaço e falta de ar. Alergologistas e imunologistas são unânimes ao afirmar que o tempo seco prejudica cada vez mais pessoas e não só as que já têm algum problema alérgico, como rinite e asma. Evitar o calor nas horas mais quentes, usar hidratantes, beber muita água e, claro, optar pela compra de um humidificador para casa são escolhas acertadas.

A Megaclima tem uma excelente experiência de mercado. Com mais de 25 anos de história em climatização, as questões com o excesso ou falta de humidade são tratadas com o maior rigor e compromisso. Saiba mais, ao ligar-nos para o número 219 253 300 ou envie-nos um email para geral@megaclima.pt . Esperamos pelo seu contacto!

Compartilhe o nosso artigo
Facebook
LinkedIn
Twitter